23 abril 2013

==> À Rua, à Noite


A Rua estava linda... Mas sentia-se um pouco só.

Eu lhe disse que era a Noite, a responsável por sua solidão, e que, na verdade, não era culpa dela, porque a Noite deve vir sempre... Toda noite... Naturalmente.
Apenas cai, sem culpa e errante.

Então, apresentei à Rua a Noite, que pôde explicar-lhe tudo.
Escura e doce, disse-lhe que, quando cai, não a 
notam, e, por isso, ela também se sente só. Sente muito.

A Rua sorriu e a Noite também. Já não sentiam-se mais sozinhas.

Eu lhes pedi licença e entrei em casa.





==> Compartilhe abaixo e serás feliz à (N)oite e na (R)ua!

6 comentários:

  1. Você e suas personalidades sempre intermediando conflitos. Sempre fuçando e se intrometendo, pro deleite geral de todos! Como diz numa música da Adriana Calcanhoto: "Eu não sou eu, nem sou o outro, sou qualquer coisa de intermédio..."
    E entre a Rua e a Noite, eis que no meio do caminho havia um Danillo, havia um Danillo no meio do caminho, rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrsrs
      Eu faço amizade com tudo!!!
      rsrsrs
      Beijos!!!!

      Excluir

==> (A)tormente abaixo!